segunda-feira, agosto 20, 2012

Entrevista com Andréia Panchiniak - Coordenadora do NAAH/S - SC

FCEE na mídia: confira a entrevista da coordenadora do Naah/s à Rede de Notícias Acaert

20/08/12 - Santa Catarina deve ter cerca de 50 mil alunos superdotados em sua rede de ensino. A estimativa é da psicóloga e pedagoga Andréia Panchiniak, que coordena o Núcleo de Atividades em Altas Habilidades e Superdotação (Naah/s) da FCEE. “Segundo os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que de 3,5% a 5% da população geral seja de superdotados. Se tomarmos como exemplo os alunos da rede regular de ensino de Santa Catarina, que são um milhão e 130 mil segundo os dados do IBGE, nós vamos ter em torno de 50 mil alunos com superdotação que estão sem o suporte, sem os estímulos, sem os apoios necessários. Se esses suportes não forem dados, nós corremos o risco de ter esses talentos perdidos”.


O acompanhamento de crianças e jovens superdotados ainda é precário nas escolas. Nem todas estão preparadas para lidar com o aluno acima da média, e não fazem o que é recomendado, como por exemplo, pular o aluno para uma série mais adiantada.

“Para que ele possa avançar, para que possa acelerar de um ano para o outro. Por exemplo, esse menino está na terceira série, mas já tem pleno domínio do conteúdo da terceira série. Inclusive apresenta uma desmotivação acerca dos conteúdos administrados em sala. Então que ele possa ser acelerado, que possa ser passado para a quarta série - inclusive as escolas estão aptas a promover essa aceleração. Ah, mas de repente o menino vá sofrer, porque ele vai conviver com pessoas mais velhas do que ele, emocionalmente talvez ele não esteja maduro... Porém as pesquisas dizem para nós que nesses casos eles tendem a se sentir mais valorizados, mais motivados, porque o seu potencial foi reconhecido”.

Andréia Panchiniak, coordenadora do Naah/s da FCEE lamenta ainda que as universidades espalhadas pelo estado não desenvolvam atividades com crianças e jovens com crianças superdotadas.

“Infelizmente nós ficamos muito solitários, a FCEE junto com a Secretaria de Educação. Porque as universidades públicas discutem muito pouco esta questão. Ao contrário do Rio Grande do Sul, do Paraná, do Rio de Janeiro... e o que a gente observa é que, em experiências nos Estados Unidos e na Europa, as Universidades são os espaços onde esses alunos são atendidos. Eles vão para fazer estágios, para fazerem oficinas, para receberem tutoramento. Por exemplo, eu tenho um menino adolescente excelente em matemática. Com um nível de raciocínio diferenciado, que consegue resolver as questões por um caminho diferente, por um viés diferente. Para onde eu posso encaminhar? A universidade seria um espaço. Inclusive nós já tivemos parcerias, em alguns momentos, com a Universide Federal de Santa Catarina, com o laboratório de matemática, para encaminhar esses alunos. Eu acho que as universidades precisam discutir essa clientela".

A pedagoga e psicóloga explica que a família de uma criança superdotada é uma família preocupada.

“Porque percebe que esse sujeito tem um ritmo de aprendizagem que se diferencia da norma. Que ele precisa de suporte e estratégias diferentes. Que tem um nível de exigência maior. Uma criança acima da média que não recebe os recursos necessários, aquele potencial tende a se diluir, a entrar em um ritmo de normatização. Ele tenta a se igualar aos demais. Ou, o que é mais grave ainda, ele começa a apresentar uma série de características comportamentais que vão desde o desistímulo, ele começa a ficar apático, a se desinteressar pela rotina escolar, até um comportamento extremamente hiperativo, quando ele começa a ficar agitado em sala de aula ou começa a rivalizar com o professor - que o vê como um oponente - na tentativa de buscar um espaço de atenção e acolhimento”.

Ao perceber que a criança tem altas habilidades, Andréia recomenda que as famílias procurem as integradoras regionais de educação especial que ficam nas Secretarias de Desenvolvimento Regional.

“As integradoras de educação especial são as profissionais nas regiões do estado que são responsáveis por integrar, por articular a educação especial naquela região. E como as altas habilidades também são clientela da educação especial, cabe a essas profissionais buscarem as pontes, tanto conosco como com as parcerias da região”.

Transcrição da matéria veiculada em áudio no site da Rede de Notícias Acaert (Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão), que entrevistou a coordenadora do Naah/s, Andréia Panchiniak.

Matéria sobre alunos superdotados realizada pela Rede de Notícias Acaert

Título: ESPECIAL - Estimativa é que SC tenha cerca de 50 mil alunos superdotados. Mas apoio aos jovens de alto desempenho ainda é precário.
Repórter: Patrícia Gomes - Rede de Notícias Acaert /Florianópolis
Tempo: 04'35"


Nenhum comentário:

Postar um comentário